Capa_final_ok (2)

October 13, 2014  |  By  | 


OUTUBRO 23 China. No início os produtos vieram de bai- xa qualidade e baixo preço o que ocasionou uma desestruturação do setor industrial de brinquedos em todo o Brasil. Tivemos de ga- nhar competitividade sem perder a qualidade do produto, em respeito ao consumidor. Hoje quais são os principais desafos da marca? É a política tributária brasileira. No preço fnal de um brinquedo, 56% é imposto. O acesso a jogos on line prejudicou a em- presa ou não? Não, eles são um complemento da atividade da criança, em geral da criança mais velha, até os oito anos, ela prefere o universo dos brinquedos. Hoje a criança utiliza muito do seu tempo em tablets, celulares e temos de buscar o equilíbrio, o brinquedo tem o seu papel e o seu mercado. Hoje as crianças têm as redes sociais como outra forma de entre- tenimento. Abrimos uma loja virtual no qual temos brinquedos em formato digital. Além disso, esse cenário nos dá a oportunidade de desenvolver produtos novos, que não pre- cisam ser somente das crianças brasileiras, mas do mundo, é um segmento que temos crescido. Qual a sua opinião sobre a lei que proíbe propaganda voltada as crianças? Ela não foi aprovada. Existem entidades que de forma errônea tem defendido essa tese. Somos contra porque a propaganda para a criança já é regulamentada pelo Conar, no qual há uma série de orientações para o uso apropriado da propaganda para as crianças, já que ela não tem capacidade de discernir, além de ser proibido usar elementos que co- ajam os pais a comprarem. Além disso, há outro ponto importante, se há anúncios na tevê às emissoras passam a investirem em programas infantis, quando não há patrocí- nio, ocorre o que já é uma realidade, tiram as programações infantis da grade, e deixam as crianças expostas a programas inapro- priados, com cenas de sexo e violência. Se você observar verá que a Rede Globo, Rede Record, não tem mais programação infantil, a única que mantém um pouco ainda é o SBT. Chega ser absurdo em um país onde temos tantos problemas graves como trabalho infan- til, violência sexual, onde somente 20% das crianças têm acesso a creches, no momento de maior desenvolvimento para ela que é até os 5 anos... É quase um desrespeito. Se qui- sessem se aprofundar melhor no regulamen- to do Conar tudo bem, agora proibir é um mal. Quais são as ações sociais da Estrela? A principal é que a Estrela foi idealizadora e mantenedora da Fundação Abrinq, no qual sou presidente do conselho. Trabalhamos para crianças no quesito saúde, emergên- cia e proteção. Por exemplo, o personagem do Teleton AACD, produzimos e vendemos a custo, além de contribuir com doação de brinquedos para muitas entidades ao longo de todo o Brasil. Qual o segredo do sucesso dos brinque - dos Estrela? Nossos brinquedos buscam não só ser uma fonte de entretenimento, mas ajudar no pro- cesso de educação e de formação, nunca expor a criança a um risco. O consumidor percebe isso. Conseguimos reunir uma equi- pe com a determinação de que essa história tinha que continuar.

More from becasales